sábado, 15 de dezembro de 2012

Comentários no Facebook



Há sempre alguma coisa no Facebook que merece a nossa atenção. 

Que nos leva a clicar no “gosto” ou a tecer comentários. 

Eu faço isso! 

Quase todos o fazemos. No entanto há alturas em que deveríamos pensar duas vezes antes de o fazermos. Certos comentários têm o condão de magoar aquele a quem é dirigido. Ou mesmo indignar quem o lê!

Por natureza sou impulsiva. Escrevo o que sinto, tal como nas conversas orais digo aquilo que me vai na alma! Já por diversas vezes magoei com os meus comentários. Já ofendi. Já indignei…

Não deixei de tecer comentários. Não sou mais comedida no que digo ou no que escrevo. Este é o meu modo de ser e, por muito que tente, continuo a magoar com a minha impulsividade. Continuo a dizer ou a escrever demasiado depressa. Sem pensar antes. Sem parar para ler o que escrevi e “pôr-me no lugar do outro”… 

Consequentemente continuo a magoar. A ofender. A indignar quem lê os comentários demasiado impulsivos que escrevo. 

Por vezes a consciência de que fui longe de mais leva-me a apagar o que escrevi o que faz com que a pessoa visada, caso me tenha respondido, fique com uma resposta a algo que não existe. A não ser que se aperceba e também ela apague o comentário ao meu comentário…

Demasiado confuso? Nem por isso… 

Se escrevemos algo que depois nos apercebemos que não foi correto. Que foi indelicado ou que de algum modo ofendeu o visado, podemos sempre apagá-lo. Por vezes vale mais uma resposta a um comentário que já não existe do que mantê-lo ativo…

Outra solução, esta muito mais correta e que me foi aconselhada por um bom amigo, é não comentar de qualquer maneira. Citando as suas palavras: “Se não tens nada de bom a dizer, não digas nada!” Nem sempre sigo este sábio conselho. No entanto são cada vez mais as vezes em que, ao comentar, me lembro dele e do que então me disse. São cada vez mais as frases que depois de escritas são apagadas em vez de serem divulgadas. 

Afinal, ele tem razão. Se não temos nada de bom a dizer, porquê pronunciarmo-nos? Por acaso consideramo-nos melhores, mais perfeitos que os outros utilizadores do Facebook? 

As possibilidades de “gostar” ou “não gostar” estão consideradas no Facebook. Podem e devem ser utilizadas se apenas gostaríamos de mostrar que gostamos (ou não) de algo que por lá encontramos. Os comentários podem, e devem, ser ponderados, pois é muito fácil magoar que lê! 

Por escrito é muito “cómodo”, dizer-se o que se pensa sem ponderar até que ponto estaremos ou não a ser cruéis, ofensivos ou impertinentes. E depois de escrito, é muito difícil “apagar” o que foi dito!

AA
15-dez-2012

Sem comentários:

Enviar um comentário