domingo, 3 de fevereiro de 2013

Escrever




Escrever é algo que tenho vindo a fazer cada vez com mais frequência! Faço-o porque gosto. Porque é uma maneira de libertar o que me vai na alma. O que sinto.

Escrevo sobre sentimentos. Sentimentos meus. Sentimentos que perceciono nas pessoas com quem me cruzo. Com quem contacto. Que vou conhecendo…

Do que escrevo resultou um livro: “Mementos” (editado pela “Corpos editora”).  Um pequeno livro de poemas, excecionalmente prefaciado pela pessoa que me levou a escrever. Um colega. Um amigo. Alguém que me ofereceu um livro e que me levou a descobrir o prazer da escrita. Alguém que continuou, e continua a ser importante. Pelas suas opiniões. Pelo seu apoio. 

Nem sempre encontramos quem nos apoie no que por muitos é apelidado de capricho. Nem sempre encontramos alguém disposto a ler o que fazemos e a dar uma opinião sincera. Sem floreados. Sem falsas simpatias.

É normal sermos elogiados por quem considera que queremos ou precisamos que nos digam que o que escrevemos “está bonito” … Não foi isso que encontrei no Artur. Nele encontrei uma pessoa que, se se dispõe a ler o que escrevo dá uma opinião sincera. Ou então não dá! Sem falsas simpatias. Sem se preocupar se é o que quero ouvir (ou ler). Para quem escreve opiniões destas são importantes. Só assim poderemos saber se o que fazemos realmente tem algum valor. Se vale a pena continuar. Se não é melhor deixar a escrita para quem o sabe fazer…

Não me considero poeta. Não sou poeta! 

Não me considero escritora. Também não o sou!

Sou apenas e só alguém que gosta de pôr por escrito o que pensa! Independentemente dos resultados.

Sei que por vezes sou cruel. Que magoo! Sei que por vezes ultrapasso limites. Que digo o que não deveria ser dito. Contingências de escrever o que me vai na alma…

Ontem saiu uma antologia na qual tive o prazer de participar “A vida num sonho” da editora “Lua de Marfim”. Dentro de poucos dias (a 23 de fevereiro) irá sair outra “Beijos de Bicos” da editora “Pastelaria” … Nada disto teria sido possível se não tivesse sido encorajada. Pelos meus amigos, reais e do Facebook. Por quem me vai lendo. Pelo Artur!

A todos um obrigada muito especial. Não vou divulgar o que vai sair a 23 de fevereiro. Não faria sentido quebrar a surpresa.

Para quem vai acompanhando os meus devaneios fica a indicação de que não são poemas! Tal como em “A vida num sonho” trata-se de uma pequena história… 

E a promessa de que, se continuarem a gostar do que escrevo, me irei manter por aqui. A escrever. A divagar. 

A partilhar sentimentos…



AdelinAntunes

03-fev-2013

Sem comentários:

Enviar um comentário