sábado, 16 de fevereiro de 2013

Tartarugas ninja



Ensinar uma criança pode não ser uma tarefa fácil mas não tem que ser difícil. 

As crianças têm uma capacidade de aprendizagem bastante grande e, por norma, aprendem mais com os exemplos do que com o que lhes queremos incutir.

Fazer para que possam imitar é uma boa tática de ensinamento e aprendizagem. Cada criança tende a imitar o que os adultos fazem, principalmente se esses adultos lhes são queridos. Assim, em vez de lhes dizer que devem atravessar nas passadeiras (e apenas com o sinal verde) devemos tomar a iniciativa de o fazermos sempre. Principalmente se acompanhados por elas. Cumprimentar os vizinhos, os amigos ou os familiares é uma rotina que aprendem a fazer por imitação. Tal como se falamos mal de um familiar ou amigo, podem acontecer comentários inconvenientes por parte delas quando na sua presença. Chegar a horas, à escola ou onde quer que tenham que ir, nunca será problemático se sempre estiverem habituadas a que tal aconteça. Nas idas às compras, seja num supermercado ou numa grande superfície comercial não haverá problemas de maior se estiverem habituadas a que apenas se compra o que é necessário e só depois, caso seja possível, um mimo, um presente ou uma guloseima…

As regras de segurança em estrada, nas brincadeiras no jardim, quando se deslocam em grupo, são outras das coisas que aprendem por imitação e se estão habituados a que se cumpram, não será necessário dizer-lhes que o façam.

Todos já ouvimos falar de acidentes com as tampas de esgotos, de água, de eletricidade ou do que quer que sejam que se encontram nos pavimentos das nossas ruas e cidades. Todos já tivemos conhecimento de alguém que, ao pisar uma dessas tampas, “entrou” literalmente pelo buraco dentro com os inevitáveis contratempos e ferimentos.  Se esta não é uma ocorrência frequente o facto não invalida que se tomem as devidas precauções. Não pisar as tampas é uma medida simples e que pode evitar um acidente, no mínimo, desagradável. 

Num recente passeio pelo jardim cruzei-me com um avô e um neto que deveria ter cerca de quatro anos. Parados juntos a uma dessas tampas falavam sobre os perigos de cair. O avô, com ar de sabedoria, diz ao neto que nunca se devem pisar essas tampas, “Nunca devemos passar com os pés por cima dessas tampas” ao que a criança respondeu com o ar mais sabedor do universo “Pois, porque podem estar aí as tartarugas ninja!”

Não pude conter o riso! E se não continuei a ouvir a conversa não pude deixar de imaginar o que o avô lhe diria de seguida! Tenho a certeza que o alertou para o perigo de queda, mas, se uma criança de quatro anos necessita da analogia das tartarugas ninja para reconhecer o perigo de pisar uma dessas tampas, essa analogia não será válida?

No fundo o que interessa é fazer com que as crianças reconheçam situações de perigo. Se para isso tivermos que recorrer aos seus heróis. Às histórias que vivem e revivem através da televisão esse será com certeza um método válido!

Acredito que se pisar uma tampa de esgoto a criança em questão não será atacada pelas tartarugas ninja, mas, enquanto acreditar nessa possibilidade por certo evitará um possível acidente!


Adelina Antunes

Sem comentários:

Enviar um comentário