segunda-feira, 10 de junho de 2013

Memória



A memória garante-nos que tivemos um passado e que desse passado ficaram marcas, lembranças, recordações e esperanças. Que nesse passado construímos vidas que vivemos talvez não à nossa maneira mas do modo que foi possível vive-las. Que tomamos opções. Certas umas erradas outras mas que foram as que se apresentaram no momento. Que se voltássemos atrás talvez repetíssemos o que fizemos ou talvez optássemos por outras alternativas. 

A nossa memória ajuda-nos a construir a nossa história. Uma história de passados. De momentos perdidos. De rostos apagados. Alguns já esquecidos. Uma história repleta de factos e acontecimentos. De lágrimas. Sorrisos. Tristezas e alegrias. De dias vividos!

Não somos capazes de nos alhearmos do que fomos nem do que fizemos. Do que somos nem do que esperamos vir a ser. Não somos capazes de viver um dia como se fosse o único. O último. Não somos capazes de viver o presente sem pensar no futuro. Sem reviver o passado na esperança que que este sirva de fio condutor de um futuro por vir.

Não somos capazes de viver um dia como se fosse o único. Como se nada mais existisse para além do hoje! Como se fosse o último. Como se não houvesse amanhã!

Viver a vida como se fosse única. Perfeita. Intocável…

Impossível!

Eternamente esperamos um amanhã que não chega. Preparamos um futuro que não temos. Procuramos atingir o que nunca alcançaremos numa busca inglória. Numa vontade de vencer sem história. Não há um amanhã que chegue. 

Cada dia que passa é mais um ponto na nossa memória. Mais um memento para juntar à história. Cada dia que passa deixa uma lembrança, uma recordação, uma esperança. Cada dia que passa faz-nos sentir que continuamos vivos e que o amanhã vai chegar.

E esperamos sem nos lembrarmos que é hoje que temos que viver. Que é este o momento do qual teremos que fazer história. Que por muito que esperemos o amanhã nunca chega. Apenas o “hoje” um eterno “hoje” com o qual temos que viver.

Cada dia que passa pensamos fazer do amanhã um dia melhor sem nos lembrarmos que é hoje o dia que devemos melhorar. Como se fosse único. Como se fosse o último!



Adelina Antunes
10-junho-2013

Sem comentários:

Enviar um comentário