segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Almas




Dizem que as almas não morrem. 

Que apenas desencarnam para se regenerarem do tempo que passaram na terra.

Dizem que as almas vivem e revivem ciclos de aprendizagem. 

Que cada vida é um novo ciclo que apenas tem o intuito de melhorar. 

Dizem que as almas permanecem jovens. 

Que se cansam e se desgastam durante a breve passagem que fazem entre nós mas que crescem em sabedoria. 

Em entendimento. 

Que apesar de tudo permanecem jovens.

Há almas que envelhecem! 

Que morrem e que esquecem. 

Há almas que nascem velhas. 

Que aparentam nada ter aprendido durante as suas anteriores estadias ou que, durante o tempo em que repousam noutras paragens, esqueceram. 

Há almas que permanecem eternamente jovens. 

Que sofrem por ver o corpo que as encerra envelhecer. 

Privá-las do riso de criança. 

Das sensações da adolescência. 

Dos amores da juventude.

De se verem correr, rir e saltar, sem ter que se preocupar. 

Sem pensar que já não é tempo para o fazer. 

Há almas que sofrem por ter que vestir um corpo velho. 

Por caminhar entre os jovens que desejariam continuar a ser... 

Há almas que se querem libertar do involucro em que se encontram por este estar desajustado. 

Por não corresponder aos seus anseios. 

Ao que é esperado. 

Há almas prisioneiras de corpos que sofrem! 

Que não se revêem a envelhecer. 

Que querem ser eternamente jovens num mundo que teima em lhes fugir.

Há almas que querem ficar! 

Que não anseiam pelo descanso que a morte do corpo lhes irá proporcionar.

Que esperam um dia voltar a ser jovens… ser ter que partir… 

Há almas eternas em corpos perenes. 

Que apenas anseiam por novos dias. 

Os mesmos dias que não puderam ter. 

Que, sem saberem como, deixaram escapar. 

Há almas tristes e desiludidas por interromper um ciclo de que estão a gostar. 

Uma vida na qual se querem manter. 

Há almas desesperadas que gritam ao vento, ao sol e à chuva. 

Que clamam aos deuses que sejam clementes. 

Não as façam morrer!
 
Não as obriguem a desencarnar!

Há almas que querem apenas viver. 

Para sempre! 

Sem ter que esquecer para poder voltar. 

Que querem a vida. 

Que querem amar!

Eternamente jovens. 

Num corpo eterno, sempre jovem, sempre sereno.

Sem para isso ter que morrer...

… e voltar a nascer!


Adelina Antunes
02-dez-2013

Sem comentários:

Enviar um comentário