quarta-feira, 16 de julho de 2014

Há pessoas assim



Não é por acaso que gostamos de estar com esta ou com aquela pessoa. Não é por acaso que procuramos esta ou aquela companhia. Há pessoas que nos marcam pelo que são. Pelo que dizem ou pelo que fazem. Há pessoas capazes de nos levantarem e nos tirarem do buraco mais fundo em que nos encontramos. Mesmo quando achamos que não precisamos de nada nem de ninguém. Estão ali! Ao nosso lado! Prontas para nos ajudarem. Dispostas a dar aquela mão de que tanto necessitamos… Mesmo sem sabermos. Mesmo que não consigamos perceber isso. Mesmo que, na altura, sintamos que nos estão a importunar.

Há pessoas assim!

Que nos entendem. Nos compreendem sem ser preciso falarmos. Há pessoas que nos ouvem quando estamos em silêncio. Quando choramos ou rimos. Quando não queremos falar ou não conseguimos estar calados. Sem termos que dizer o que quer que seja. Capazes de ouvir uma lágrima cair. Capazes de sentir um sorriso que não existe e de o fazer despertar. Capazes de nos dizer, da maneira mais suave, “Eu estou aqui” “Estou contigo!”.

Há pessoas assim!

E o que fazemos? Magoamos. Ferimos. Causamos danos por vezes irreparáveis. Só porque não somos capazes de perceber. Só porque somos egoístas e não conseguimos ver além daquilo que somos. Que sentimos. Do que estamos a passar.

No entanto algo nos diz que as devemos procurar. Que são essas pessoas que queremos ao nosso lado quando não somos capazes de nos enfrentarmos a nós mesmos. E procuramos! E esperamos que nos entendam. Que estejam ali. Que nos escutem. Nos ouçam. Nos entendam e compreendam.

Há pessoas assim!

Que por muito que as façamos sofrer não desistem de nós. Porquê? Porque merecemos? Ou será porque conseguem ver-nos como nós próprios somos incapazes de nos ver? Não importam os porquês desde que consigamos entender que as temos ao nosso lado. Que contamos com elas nas melhores e nas piores situações…

Não importa? Será que, de facto não importa? Será que é um dado adquirido que há quem se interesse, se preocupe e esteja ao nosso lado independentemente do que façamos ou sintamos?

Há pessoas assim.

É um facto. E o que fazemos para merecer tal ato? O que fazemos para agradecer esta dedicação. Este carinho. Esta companhia?

Gostaria de dizer que correspondemos da mesma maneira. Que estamos ali para elas tal como elas estão para nós. Gostaria de dizer que também nós somos capazes de sentir uma lágrima cair. De ver um sorriso mesmo antes dele acontecer e que contribuímos para que ele nasça, floresça e o consigamos ver crescer… Gostaria! Mas a verdade é que muitas vezes estamos demasiado embrenhados em nós próprios. Nos problemas que consideramos ser superiores aos de todos os outros. Mais difíceis. Mais complicados. Mais irresolúveis. E esquecemo-nos!

Esquecemos que há pessoas que merecem tudo quanto lhes possamos dar!

Mais do que preocupações, esperança. Mais do que tristezas, alegria. Mais do que lágrimas, sorrisos…

Não é preciso muito para que possamos corresponder. Não é necessário um esforço extraordinário para agradar a alguém que gosta de nós. Se preocupa connosco e se mantém ao nosso lado em toda e qualquer situação.

Basta que consigamos ver! Basta que tenhamos a capacidade de sentir que estão connosco e corresponder. Sermos para elas o que elas são para nós. Elas vão compreender. Vão gostar e vão continuar ao nosso lado porque…

Há pessoas assim!

Adelina Antunes.

Sem comentários:

Enviar um comentário